Paciente transplantado renal: quais os cuidados se deve ter?

Quais os cuidados que um paciente transplantado renal deve ter

Quais os cuidados que um paciente transplantado renal deve ter? Afinal,  um paciente transplantado renal precisa de muitos cuidados após o procedimento cirúrgico. Mas, quando esses cuidados devem começar? Qual é a relação entre os cuidados pós-transplante e o sucesso do tratamento? O transplante renal é um marco na vida dos pacientes  que desejam ter uma vida normal e representa esperança quando as demais alternativas não funcionam. Por isso, essas dúvidas são muito comuns e a equipe da Allmed Group elaborou este conteúdo para ajudar quem está passando, fez ou irá fazer um transplante renal.

 

Segundo a Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), o transplante renal é um tratamento indicado para paciente transplantado renal,  com Doença Renal (DR) em estágio avançado e Insuficiência Renal Crônica (IRC) com quadro irreversível. Geralmente, a indicação médica para esta categoria de intervenção ocorre após o paciente ter realizado outros tratamentos como hemodiálise.

 

Na prática, o transplante renal é uma alternativa que faz com que a pessoa recupere completamente suas funções renais, sendo que o rim transplantado pode funcionar por 10 anos ou mais. Para falar dos cuidados que o paciente  transplantado renal deve ter, é preciso entender como funciona o transplante e quais são os pontos de atenção para o paciente que realizará o procedimento. Continue lendo e saiba mais!

 

Como funciona o transplante renal?

Além de constatar a Insuficiência Renal Crônica irreversível, o médico (a) nefrologista responsável pelo cuidado de um paciente renal candidato a um transplante avalia o estado de saúde do paciente  e possíveis complicações que podem se manifestar a partir disso.

 

Pessoas que vivem com problemas no coração, com doenças hepáticas ou desnutrição severa, por exemplo, se enquadram entre os casos nos quais o transplante renal pode ser contraindicado. Por isso, é extremamente importante certificar-se que o nefrologista irá solicitar, além dos exames-padrão, exames adicionais para avaliar de modo particular a situação do paciente e discutir os riscos e benefícios do transplante renal.

 

A pessoa elegível ao transplante renal, pode receber o órgão de duas formas: a partir de doadores falecidos ou doadores vivos. No primeiro caso, a legislação brasileira estabelece que os rins aceitos para o procedimento devem ter a função renal preservada e serem retirados dos doadores mediante permissão dos familiares e cumprimento de todos os padrões definidos pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

Já os doadores vivos devem autorizar judicialmente o procedimento e podem ser familiares do paciente renal ou não. Nos dois casos, os médicos realizam vários exames para garantir que o transplantado renal receberá órgãos que apresentam bom funcionamento e são compatíveis com seu organismo.

 

Os critérios que estabelecem a elegibilidade e a prioridade dos pacientes renais que esperam um rim novo na fila do transplante são determinados pela  Portaria n.º 2.600 do Ministério da Saúde (MS) que regulamenta o Sistema Nacional de Transplantes. A portaria também define regras rigorosas para a doação do órgão.

 

Cuidados que o paciente transplantado renal deve ter antes da cirurgia

 

Antes de qualquer cirurgia, o paciente precisa ter acompanhamento médico e se preparar para o procedimento. Com os pacientes renais, não difere, já que os cuidados começam com a bateria de exames solicitada pelo nefrologista e com as consultas pré-transplante.

 

Além de uma avaliação clínica minuciosa, é muito importante que o paciente renal faça um planejamento sobre os cuidados pós-operatórios para que suas necessidades sejam devidamente atentas após o procedimento. Abaixo, destacamos dois pontos muito relevantes aos pacientes renais e seus familiares.

 

  • Sistema de apoio social para o cuidado do paciente transplantado renal pós-transplante: quem são as pessoas que poderão se envolver na recuperação do transplantado renal? Familiares? Amigos? Profissionais especializados contratados na modalidade home care? É muito importante pensar na rede de cuidados já que é um procedimento que vai exigir muita atenção do paciente que precisará  tomar medicamentos, seguir uma dieta adequada, ter cuidados específicos para evitar infecções, entre outras demandas.

 

  • Preparo psicológico ao paciente transplantado renal: o cuidado multidisciplinar é uma característica dos tratamentos direcionados aos pacientes renais. Se tratando do preparo para um transplante, é muito importante ter atenção de um profissional da área de psicologia. Receber um rim funcional e saudável é algo que salva-vidas, porém, são muitas emoções envolvidas no significado deste momento e é importante ter apoio para se adaptar para esta nova condição de vida.

 

Cuidados com o paciente transplantado renal: siga as orientações dos profissionais de saúde

 

Um procedimento de alta complexidade, onde em média, o paciente transplantado renal precisa de um período de três meses para se recuperar da cirurgia, no entanto, tudo depende do seguimento das orientações médicas pós-transplante.

 

Após a cirurgia, é comum que o paciente transplantado renal permaneça internado durante um tempo devido à necessidade de monitoramento intenso por parte da equipe para identificação de possíveis reações ou rejeição do órgão recebido. Outras complicações como ocorrência de doenças cardiovasculares, desenvolvimento de infecções, dor ao urinar, origem ou piora do quadro de doenças como diabete mellitus, entre outros casos também são registrados na literatura científica.

 

No hospital, o paciente transplantado renal tem toda a assistência necessária nesta fase inicial, porém, quando recebe a alta hospitalar precisa seguir à risca as orientações dos profissionais de enfermagem e medicina para ter uma recuperação de sucesso. É agora que o desafio da manutenção dos cuidados torna-se ainda mais intenso e desafiador para o transplantado renal e para as pessoas que farão parte da sua rede. A seguir, separamos algumas dicas que podem ajudar nesta missão tão importante!

 

1.  Cuidados com a alimentação do paciente renal

A dieta de uma pessoa com doença renal crônica costuma ser bem restritiva já que um rim doente não tem capacidade de filtrar o sangue, eliminar as toxinas que não fazem bem para o organismo e manter a saúde equilibrada.

Leia também  Saúde renal e alimentação: entenda essa relação!

 

Após o transplante renal, o paciente transplantado renal terá mais qualidade de vida e muitas restrições deixam de existir. Inclusive, o apetite pode até aumentar devido à melhora na capacidade de absorção dos alimentos.

 

Ao mesmo tempo, em que é ótimo para o paciente experimentar comidas que ele não podia e, ingerir eventualmente bebidas que eram mais controladas. Os especialistas orientam manter uma dieta equilibrada para evitar problemas como excesso de peso, descontrole das taxas de colesterol e triglicerídeos e o desenvolvimento de doenças que podem prejudicar a eficácia do transplante renal como diabete, por exemplo.

 

Para uma dieta saudável e equilibrada, vale seguir as seguintes dicas:

  • Priorizar o consumo de alimentos ricos em fibra, vitaminas e proteínas magras;
  • Não consumir muito sal e optar por temperos como orégano, cebolinha e alho na hora de preparar os alimentos;
  • Não restringir líquidos. Pelo contrário: é recomendado ingeri-los à vontade (não é recomendado beber água de torneira);
  • Evitar alimentos gordurosos;
  • Preferencialmente, consumir alimentos integrais;
  • Não consumir alimentos crus;
  • Evitar o consumo de comida reaquecida ou esquentar a mesma refeição por dias;
  • Não consumir álcool. Após a recuperação, o transplantado renal pode beber cerveja (em uma comemoração, por exemplo), mas é importante que isso seja feito com muita cautela e de forma super moderada. Neste caso, é recomendado que o paciente consuma alimentos antes de beber e ingira muita água para evitar a perda de líquidos;
  • Evitar o consumo de açúcares (chocolate, refrigerantes e doces em geral).

 

Como cada paciente tem um perfil muito específico, as orientações nutricionais podem variar. Por isso, é indicado que o transplantado renal faça um acompanhamento com um profissional de nutrição para seguir uma dieta personalizada e, consequentemente, evitar complicações.

 

2.  Prática de exercícios físicos

A prática de exercícios físicos é totalmente vedada ao transplantado renal durante os primeiros três meses após o transplante. Sobretudo nos primeiros 40 dias do pós-operatório, o corpo do paciente está em processo de cicatrização por isso o paciente transplantado renal não pode carregar peso, subir escadas, fazer faxina na casa e realizar atividades que exigem muito esforço.

Com liberação médica, a prática de exercícios regulares e caminhadas é muito indicada, pois reduz o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares e hipertensão, por exemplo.

3.  Medicação ao paciente transplantado renal

Pessoas que fazem o transplante renal precisam tomar medicamentos imunossupressores. Estes remédios, servem para combater a rejeição do novo rim antes mesmo do transplante ou tratá-la. Portanto, tomar o remédio exatamente no horário indicado e seguir a dosagem correta é essencial para evitar complicações.

A medicação é definida pelo médico conforme as condições de saúde do paciente. Organização e comprometimento são palavras-chave neste processo, já que não tomar os medicamentos pode resultar no fracasso do procedimento.  Há algumas dicas que podem ser úteis tanto para cuidadores quanto para os pacientes transplantados nesta adaptação à rotina de medicamentos:

  • Elaboração de tabelas para controlar o horário e a dosagem dos remédios ministrados;
  • Uso de recursos como alarme e outros lembretes para não esquecer deste cuidado;
  • Organização dos comprimidos em caixas organizadoras: é importante não misturá-los com outros remédios que já faziam parte da rotina antes para evitar confusão;
  • Entender para que os remédios servem e como eles interferem no sucesso do transplante;
  • Não tomar doses em menor ou maior quantidade dos medicamentos prescritos.

 

Lembre-se: caso tenha qualquer dúvida sobre a medicação, pergunte ao seu médico e, se apresentar efeitos colaterais neste processo, também faça essa comunicação antes de interromper o tratamento. O paciente transplantado que não toma os remédios adequadamente, pode perder o rim em um período de até quatro semanas após a cirurgia e, assim, todo o plano de ter mais qualidade de vida é comprometido.

4.  Uso de máscaras descartáveis

O organismo de um transplantado renal está mais exposto às infecções. Portanto, é preciso evitar, ao máximo, hábitos que podem desencadear um quadro de imunidade baixa e afetar o desempenho do órgão transplantado. Nas primeiras semanas de recuperação, é recomendado que o paciente não receba visitas e fique longe de pessoas com doenças contagiosas e animais de estimação.

 

Além disso, cuidados simples fazem toda a diferença. São eles: uso de máscaras cirúrgicas em locais públicos e fechados, manutenção de um ambiente limpo e arejado e higienização das mãos com água, sabão e álcool em gel com frequência

5.  Consultas regulares e acompanhamento médico

É muito importante que o transplantado renal faça um acompanhamento médico após o transplante e compareça às consultas periódicas. Em caso de qualquer suspeita de rejeição ou infecção, é  fundamental voltar ao médico. Nem sempre a rejeição de um rim pode ser evidente, mas há alguns sintomas que servem de alerta. São eles:

  • Dor ou inchaço na região do transplante;
  • Febre de 37 graus ou mais;
  • Redução da urina;
  • Inchaço de pálpebras, mãos e pés;
  • Alterações na urina como sangue e forte odor.

 

Dica extra: anote contatos médicos para entrar em contato com caso de emergência. De preferência, tenha todas as informações sobre os profissionais que participaram da equipe que realizou o transplante.

 

 

Sobre a Allmed

A Allmed Pronefro Brasil é uma empresa que pertence a Allmed Group a qual está presente em 40 países e cuja missão é proporcionar os melhores cuidados na saúde renal de pacientes que sofrem com doenças crônicas e precisam recorrer a tratamentos como hemodiálise e diálise.

Especializada na fabricação e distribuição de dialisadores e outros produtos médicos hospitalares, a Allmed Group trabalha de forma humanizada para entregar conforto, qualidade de vida e tranquilidade aos pacientes renais e seus familiares.

Gostou do assunto? Confira outros conteúdos em nosso blog!

Obrigado e até o próximo post.

 

 

 

Compartilhe